minha cidade precisa de... Headline Animator

30 de ago de 2012

Por que os Matadouros Municipais foram criados?


Prédio do Matadouro em 05 de Janeiro de 2012.
O Matadouro Municipal de Dourado-SP é um prédio de importância local e, possivelmente, regional. Trata-se de um testemunho do surgimento e desenvolvimento de muitas das cidades paulistas devido à cultura cafeeira: a segunda metade do século XIX e as primeiras do século XX.
Nessa época vários prédios – entre os quais os Matadouros Municipais - foram construídos para atender a uma nova política urbana: a política higienista. A base de tal política era a crença da medicina nos miasmas (emanações vindas de ambientes imundos contendo matéria orgânica em decomposição e responsáveis pelas epidemias), já que ainda não conhecia a ação dos microorganismos.
A política higienista teve início na Europa onde, no século XVIII, os centros urbanos apresentavam problemas de higiene. Lixo e detritos eram, muitas vezes, simplesmente jogados em via pública. No Brasil,
a chagada da Côrte Real marcou o início das preocupações com a higiene das cidades. As autoridades, preocupadas com a saúde pública, criaram novas leis para melhorar a saúde pública. Era melhor prevenir do que assumir os prejuízos causados por doenças ao governo e às empresas, em casos de internação, óbitos ou dias de trabalho perdidos.
Essas nova legislação interferiu no desenho das cidades e dos prédios, que deveriam ser bem localizados e livres de umidades, bem ventilados e iluminados. Daí a existência de porões e janelas generosas nas residências construídas durante essas décadas. 
Além disso, as atividades que poderiam causar acúmulo de matéria orgânica e lixo passaram a ser controladas pelo governo. Exemplos dessas atividades são o abate de animais e o comércio de alimentos. Para melhor exercer esse controle, houve a introdução de novos prédios como os matadouros, os mercados municipais, os cemitérios e outros.
Em geral, os matadouros foram localizados fora do perímetro urbano para se evitar que as manadas circulassem pelas vias principais e para manter os detritos gerados pela atividade do abate distantes da cidade. E próximos a córregos para suprir a considerável quantidade de água necessária envolvida no processo. 
A arquitetura desses matadouros é, em geral, eclética (comum entre o fim do século XIX e início do XX na região do interior paulista), utiliza a alvenaria de tijolos e, por vezes, elementos em ferro, em susbtituição à tradicional taipa.
As novas preocupações sanitárias, que tiveram origem na Europa, foram introduzidas na arquitetura paulista pelo arquiteto Ramos de Azevedo, formado na Bélgica. Muitos edifícios similares existentes na região paulista foram projetados em seu escritório. Outros, projetados por outros profissionais, apresentam os mesmos princípios, tanto no que diz respeito aos aspectos funcionais e técnicos, quanto na tendência arquitetônica dos mesmos.

Referências:
Chalhoub, Sidney. (1996). Cidade febril: cortiços e epidemias na corte imperial, São Paulo; Companhia das Letras.
Giordano, Carolina Celestino. (2006). Ações Sanitárias na imperial cidade de São Paulo: mercados e matadouros. Dissertação de Mestrado. Campinas: PUC-Campinas, Centro de Ciências Exatas, Ambientais e de Tecnologias, Pós-graduação em Urbanismo, 218p.
Salgado, Ivone; Murilha, Douglas. (2009). Patrimônio Arquitetônico no Estado de São Paulo: uma arquitetura para matadouros e mercados antigos. In: Exacta, vol. 7, n. 2, 2009, pp. 263-277.

Nenhum comentário:

Postar um comentário